As Qualidades do Improviso

As Qualidades do Improviso
Publicado no diário de Robert Fripp – 05/10/2010
Tradução por Gabriel Vidal.

Algumas palavras sobre as qualidades do improviso, referenciando a tétrade dos participantes de qualquer orquestra, a Orquestra dos Crafty Guitarrists e nós mesmos. A tétrade:

Compositor
Líderes de Sessão            Condutor
Membros da Orquestra

Isto também se aplica em como cada um de nós compõe sua própria orquestra pessoal; os aspectos de nossa personalidade; as várias pessoas de menor papel, que são os membros da orquestra; as partes que assumem responsabilidade sobre as ações das pessoas de papéis menores; o solista que está acima dos líderes de sessão; o condutor de nossa vida; e a parte do todo que é representado pelo Compositor.

As diferentes qualidades de improvisação podem ser referidos como…

Composição Espontânea
Extemporização             Improvisação
Desenvolvendo Variações
Fraseados / Canjas

…que corresponde aos diferentes graus de músicos…

Gênio
Profissional / Artesão            Mestre / Mistério
O artista feliz / Artífice

…reconhecendo a linguagem do gênero; redefinindo isso para o nível em que entender a maestria em música confere um sentido do mistério que envolve ser parte do processo musical, trazer música para o mundo.

Estes graus de músicos se caracterizam pela qualidade de nossa atenção volicional que está disponível para cada um; uma correspondência do momento presente e a região de influência geográfica apropriada para cada grau de intensidade de presença pessoal, integridade ou Ser, e a capacidade em suportar sofrimento.

Os modos primários de extemporização: iniciar, responder, fazer nada. Exemplos dissos: solar, acompanhar, repouso. Fazer nada, feito de maneira adequada, providencia o campo necessário em que as ações acontecem. Este papel em particular é geralmente subestimado e, quando efetivo, é muitas vezes referido como neutralidade radical: o fazer nada que propicia fazer tudo.

Forçar nossos truques e fraseados em outros membros de um conjunto (ensemble) é uma forma de força, e para eles, uma forma de aprisionamento musical.

A importância primária reside nas conexões entre os diferentes graus de músicos, exemplificado como instrumentistas, mais do que os próprios instrumentistas (ou estações). Por exemplo, o elemento distinto da conexão entre Mestre / Mistério e Artífice é disciplina. Em nossas próprias vidas, quando o Mestre / Mistério dentro de nós, decide se comprometer com algo, é no conhecimento de todas as pequenas partes em que nós podemos nos apoiar ao seguir uma direção, e a totalidade de tudo que podemos assimilar este compromisso: até Deus pode contar com isso! Esta conexão entre o Músico Profissional & o Artífice é flexibilidade. A conexão entre o que é representado como Profissional e Gênio é espontaneidade; e entre Mestre / Mistério e Gênio (a fagulha criativa no centro de quem nós somos) é a capacidade de ver o que é uma ação correta em qualquer confluência particular de tempo, local e pessoa: julgamento correto.

Um pequeno exemplo: em uma peça musical no nível Mestre/Mistério, cada nota é necessária. No nível Artista Feliz (talvez Nível Dois – Três na terminologia do Guitar Craft), existem notas que são, musicalmente, superficiais; embora possivelmente possua uma utilidade funcional, como uma palheta-cruzada contínua para manter o tempo da música.

Algumas pequenas palavras, a grosso modo, indicando o centro de gravidade do assunto, da perspectiva de um instrumentista profissional.

Os comentários estão desativados.